Fagner - Cantor



FagnerCantor
"O Sucesso é a maneira mais digna de se manter acesa a chama do seu oficio. Acredito que o sucesso com a sua cara de contentamento faça o mesmo efeito em todas as cabeças numa sensação de vôo livre fantástico. É lindo, e às vezes necessário principalmente para aqueles que aparecem de maneira mais espontânea sem as grandes armações da fabrica de sonhos, a mídia e seus derivados. O sucesso é o reconhecimento pelo valor do seu trabalho e um teste decisivo a sua personalidade. Tratar esse fenômeno com humildade e devolver o direito a quem te elege e esperam algo de ti, como desfrutar uma carreira sem grandes traumas. Alias, o sucesso é uma maravilha dês que o fracasso não lhe suba a cabeça."

Cearense de Orós, aos 5 anos ganhou um concurso infantil na rádio local. Na adolescência formou grupos musicais vocais e instrumentais e começou a compor suas próprias músicas.

Venceu em 1968 o IV Festival de Música Popular do Ceará com a música “Nada Sou”, parceria sua e de Marcus Francisco. Tornou-se popular no estado e juntou-se a outros compositores cearenses como Belchior, Rodger Rogério, Ednardo e Ricardo Bezerra.

Mudou-se para Brasília em 1971, classificando-se em primeiro lugar no Festival de Música Popular do Centro de Estudos Universitários de Brasília com “Mucuripe” (com Belchior). Ainda em 71 foi para o Rio de Janeiro, onde Elis Regina gravou “Mucuripe”, que se tornou o primeiro sucesso de Fagner como compositor e também como cantor, pois gravou a mesma música em um compacto da série Disco de Bolso, que tinha, do outro lado, Caetano Veloso interpretando “Asa Branca”.

O primeiro LP, “Manera, Fru-fru, Manera”, veio em 1973 pela Philips, incluindo “Canteiros”, um de seus maiores sucessos, música sobre poesia de Cecília Meireles. Mais tarde fez a trilha sonora do filme “Joana, a Francesa”, que o levou à França, onde teve aulas de violão flamenco e canto.

De volta ao Brasil, lança outros LPs na segunda metade dos anos 70, combinando um repertório romântico a partir de “Raimundo Fagner”, de 1976, com a linha nordestina de seu trabalho. Ao mesmo tempo grava músicas de sambistas, como “Sinal Fechado”, de Paulinho da Viola.

Outros trabalhos, como “Orós”, disco que teve arranjos e direção musical de Hermeto Pascoal, demonstram uma atitude mais vanguardista e menos preocupada com o sucesso comercial.

Comentários

Novos Elementos